8 de dezembro de 2008

Nossa Senhora da Conceição

Hoje, dia 8 de dezembro, comemora-se o dia de Nossa Senhora da Conceição no catolicismo. No camdomblé, Oxum. Todos os anos, fiéis saem em procissão da Igreja da Conceição da Praia, localizada no Comércio para homenagear a padroeira da Bahia.

Pra mim tem uma relação especial. Fui concebida nesta data (concebida do ato de ser gerada e não nascida). Já levei flores para homenageá-la e agradecê-la. Mas com a forte chuva que nasceu o dia, este ano não fiz. Então, hoje, por respeito, mesmo não sendo praticante católica (atualmente), nem do camdomblé, mesmo assim, oro e canto para ela.

Prece a Oxum

Canto sereno que assobia, nos regatos lagos e cachoeiras. Senhora faceira de beleza e ternura. Protetora das crianças e de todos os que necessitam de tua graça. Mamãe Oxum, Deusa formosa dos rios. A Mãe das Águas Doces, acolhe-nos em teu seio, proporciona-nos paz e alegria. Saravá Mamãe Oxum! Ora Iê Ie!

É D'oxum

Nessa cidade todo mundo é d'oxum
Homem, menino, menina mulher
Toda essa gente irradia a magia
Presente na Agua doce
Presente na agua salgada
e toda cidade brilha
Presente na Agua doce
Presente na agua salgada
e toda cidade brilha
Seja tenente ou filho de pescador
Ou importante desembargador
Se dar presente é tudo uma coisa só
A força que mora n'agua
Nao faz destinçao de cor
E toda cidade é d'oxum
A força que mora n'agua
Nao faz destinçao de cor
E toda cidade é d'oxum
É d'oxum, é d'oxum ô, é d'oxum
Eu vou navegar
Eu vou navegar
nas ondas do mar eu vou navegar,
eu vou navegar
Eu vou navegar
nas ondas do mar eu vou navegar, é d'oxum

A mágica do dia-a-dia

O educar no dia-a-dia requer dos profissionais de educação uma arte. Como tenho paixão pelas palavras, então sempre trabalho como meus alunos literatura, minicontos, prosa, poesias, parlendas, trava-línguas. Proporcionar-lhes enxergar beleza nas palavras é simplesmente mágico. Recordo-me agora de uma prosa que li pros meus alunos da primeira série logo no primeiro horário da manhã. Essa turma é bastante inquieta, então pensei em fazer algo diferente para concentrá-los.

No primeiro momento da aula, costumamos sentar em roda para conversar e iniciar as orientações das atividades. Neste dia, fui super-mega-hiper-ultra-power-advanced preparada hahahaha!. Decorei a prosa, levei papeizinhos coloridos recortados e incenso de canela. Ao fazermos a roda, quando eles já estavam calmos, peguei a caixinha com os papaizinhos, acendi o incenso e comecei a recitar:

"De manhã bem cedinho
o sol já está espreguiçando
Clara, a bruxinha começa o dia cantando:

pétalas de rosas
essência de jasmim
um dia lindo e perfumado
para todos e pra mim

sai correndo pra cozinha
saltitante e faceira
vai preparando seu lanchinho
pega o pão e a chaleira

folhas de capim-cidreira
e uma pitada de canela,
um pãozinho bem quentinho
com presunto e mussarela

e assim começa o dia
na floresta encantada
sei que você não acredita
pois parece uma piada

Clara é uma bruxinha
repleta de bondade
essa é a mágica do dia-a-dia:
coisas simples com alegria
enchem o mundo de felicidade!
(A mágica do dia-a-dia - Diana Pilatti)

Enquanto eu ía recitando, fui jogando os papeizinhos ao redor deles e incensando pelo ar. Ficaram encantadíssimos! Resultado: eles adoraram e sempre pediam pra eu ler alguma história, ou recitar.

Esta prosa está no site www.usinadaspalavras.com . Vejam lá! Bem interessante!

7 de dezembro de 2008

Tudo vale a pena quando a alma não é pequena

Estou me preparando para uma nova realidade. Vida a dois. Eu e meu namorado resolvemos morar juntos. Sei que é difícil, pois a rotina diária, a preocupação com as despesas, a grana pra pagar no fim do mês, o lidar com o outro nas suas diferenças, particularidades e ao mesmo tempo saber dialogar, conciliar, e abrir mão de certas coisas, será um desafio. Mas que estou extremamente disposta a apostar! Porque acredito no amor, no encontro especial de duas almas.

Creio que quando duas pessoas se disponham a fazer isso por livre e espontânea vontade, mesmo sabendo que o amar não é só o sentimento em si, é convivência, é o dia-dia, são problemas e soluções, tristezas e alegrias, carinho, respeito, confiança, e que dure o tempo que tiver que durar. Que mal há?

Só em saber que teremos que enfrentar tudo isso, com as dificuldades que estamos enfrentando, com as falas das pessoas que sentem inveja, ou com aqueles desiludidos que dizem que casamento é uma instituição falida, e que as pessoas se dariam melhor cada um vivendo em sua casa e mesmo assim não desistimos. Só em saber tudo isso e mesmo assim queremos ir fundo, já é um grande passo.

Cada um passa o que tem que passar. Aprendemos com o que vivemos, errando ou acertando. Pra mim não importa, se é o certo ou não, se uns acreditam ou não. O que me importa é a nossa vontade em viver esse momento mágico e único (talvez). Acreditar sempre! Pois "tudo vale a pena quando a alma não é pequena".

O ato de ajudar

Estava pensando sobre a importância do otimismo, da positividade, do ato de ajudar o outro, de enxergar o lado bom das coisas, mesmo que aparentemente elas não pareçam ser. Isso me veio a mente, a partir do que observo, de pessoas, de acontecimentos pessoais ou com outros.

visto na imprensa televisiva, jornais e na internet sobre a enchente que assolou o estado de Santa Catarina. Milheres de pessoas ficaram desabrigadas e outras centenas faleceram. Todo o país se comoveu e as pessoas se dispuseram a ajudar da forma que podiam, seja doando um espaço para abrigar as famílias, através de doações financeiras ou mesmo ajudando com o próprio trabalho físico. Qualquer ajuda é bem vinda!

Vi no telejornal, a fala de um senhor em que agradecia ao país inteiro pela ajuda e isso me sensibilizou. Lágrimas me vieram aos olhos e escorreram pela face. Me emocionei porque apesar de ter perdido tudo, e provavelmente dele estar sofrendo com isso, ele enxergou o lado positivo de que irá superar as dificuldades e teve humildade para agradecer publicamente.

Fiquei refletindo por que as pessoas reclamam tanto da vida. Reclamamos porque o bujão de gás acabou, porque a faxineira não veio, porque perdemos o ônibus, porque esperamos demais do outro, porque queremos que ajam da forma que acreditamos que seja o correto. Tão pequeno isso não é? Somos felizes e não sabemos! Não enxergamos que temos tantas chances de sermos felizes e nos pegamos a coisas tão banais.

Quando virarmos pó não levaremos nada dessa vida! A única coisa que me deixa triste é ver que que nos predispomos a ajudar nos momentos de extrema necessidade. Se nós ajudássemos aos outros mais frequentemente e naturalmente, o mundo seria outro. Nem sempre estamos dispostos a nos deixar de lado, nos anularmos, para ajudar aquele que necessita mais naquele momento. O ato de ajudar sem esperar nada em troca, é um desenvolvimento espiritual para raríssimas almas evoluídas. Esse pra mim, é o nosso desafio na Terra!

29 de novembro de 2008

Dia da alegria!

_ Hoje tem festa?
_ Tem sim senhor!
_ Hoje tem circo?
_ tem sim senhor!
_ Tem palhaço?
_ Tem sim senhor!
_ Tem mais o quê?
_ Tem malabares mágicos, música, brincadeiras e diversão.
_ E hoje é dia de quê?
_ Dia da alegriaaaaaaaaa!!!!!!!!!!!!!

27 de novembro de 2008

Banho de mar

Na correria do dia-dia..fim de ano..fechamento de ciclos..
e uma pausa pra respirar o ar puro, cair no mar de manhã cedinho pra renovar as energias e tomar uma água de côco. Bom que moro pertinho da praia.

É revigorante e a sensação é indescritível. Aaah! Nada como um banho de mar e saldar ao sol!

Um bom dia para todos!

Namastê

26 de novembro de 2008

Ouvi isso hoje de uma amiga:

"nao chore por ninguém, pois ninguém merece suas lágrimas, e se talvez alguém mereça, esse nao lhe fará chorar"

e fiquei a refletir..

23 de novembro de 2008

Reticências...

1 mês fora do ar..
sem postar nada..
nesse tempo..
uma infinidade de coisas aconteceram..
fortes emoções..
tanta informação que leva tempo pra processar..
tanto pra falar..
vivo uma felicidade infinita..
por agora, só me permito sentir..
no mais, depois entro em detalhes..
e hoje, fico só nas reticências...

21 de outubro de 2008

Sua falta

sinto tanto sua falta
só sei que sinto
só e mais nada
tanta falta que cabe o mundo dentro
o mundo todo em você
que ao deitar no teu colo passa
me acalma e me traz paz

15 de outubro de 2008

Diálogo

_ Não era assim que eu queria..não foi assim que imaginei..

_ Mas nem sempre as coisas saem do jeito que a gente quer. Existem regras sociais.

_ Não gosto de ter que agir como os outros querem, esperam ou peçam que eu faça. Quero ser eu e fazer do jeito que eu quero.

_ Então não faça, você não é obrigado. Seja você. Prefiro você feliz na sua forma de ser..
"Quem ri por último, ri melhor"

10 de outubro de 2008

Um dia diferente

O fim de semana passado foi diferente. Incomum. Passei por situações que até então não havia vivenciado, situações novas e de muitas emoções. Choro e riso. Lágrimas e gargalhadas, de tristeza e de alegria. Uma confusão de sensações. Conheci pessoas novas, legais, divertidas, uma família linda e que me receberam super bem para um almoço. Revi amigas que gosto muito, na verdade eu as amo, e com quem tenho um imenso prazer de estar ao lado e compartilhar dessa amizade. Me diverti horrores! (como dizia uma amiga).

Ao mesmo tempo senti raiva. Raiva do egoísmo ridículo das pessoas. De achar que as coisas devem sair do jeito delas, e não aceitam o novo que acontece de forma natural, por puro sentimento egocêntrico, e não conseguem enxergar o outro lado da moeda. Por se incomodarem com a felicidade alheia pois são infelizes. Por se tornarem medíocres e se apegarem a coisas tão banais.

Foi tudo tão intenso que me fez refletir. No fim, a conclusão que tiro de tudo isso é que as pessoas são muito julgadas, julgadas erroneamente por não saberem o histórico da outra pessoa, porque somos fracos e muitas vezes não aceitamos o novo, ou ficamos confusos com situações que nos tiram do cômodo e temos que enfrentar um desafio. Muito fácil julgar. Muito fácil criticar os outros. E a autocrítica?

O melhor de tudo é enfrentar esses desafios diários de peito aberto, confiante em si mesmo e consciência livre de que você não está transgredindo princípios próprios e os dos outros quando se tem um sorriso largo e sincero de ambas as partes.

Bom mesmo é ser feliz e foda-se o resto!

3 de outubro de 2008

Como disse Augusto dos Anjos:

"A mão que afaga é a mesma que apedreja."

Ele estava certo..

24 de setembro de 2008

Só deixo meu coração na mão de quem pode



O título é uma música que faz parte da trilha sonora do filme "Não por acaso". A música foi composta em parceria por Fausto Fawcet, Marcos Cunha e Plínio Profeta e é interpretada por Katia B, umas das cantoras da nova geração da MPB, assim como Vanessa da Mata, Maria Rita, Céu, Roberta Sá, Ana Cañas, Thalma de Freitas. Na trilha, inclusive, tem a participação de Céu interpretando "Sonhando" e Nasi (Ira) com "Laços".

Trouxe essa música porque ando ouvindo-a ultimamente, por gostar da letra, do estilo e por representar como me sinto ultimamente. Já deixei muito meu coração a toa, mas hoje só deixo nas mãos de quem pode.

O filme tem direção de Philippe Barcinski, e o elenco com Rodrigo Santoro, Letícia Sabatela, Leonardo Medeiros, Cássia Kiss, entre outros. Um drama, rodado na grande São Paulo cinzenta, onde a correria do dia-dia não permite que as pessoas se enxerguem e vejam as singularidades de cada um. Conta a estória parecida de dois homens que sofrem ao perder as mulheres que amam, mas que esses fatos não são acontecem por acaso.

Deixo o link da música de presente e o filme vale a pena conferir!
Só deixo meu coração na mão de quem pode


Voz de anjo

Ela chorava. Chorava compulsivamente até soluçar. Os olhos estavam inchados, vermelhos. O rosto irreconhecível. Um desespero e uma tristeza sem fim. Não havia solução para o seu erro, sua falta de atenção, seu sofriento e fraqueza naquele momento. Se sentia a mais inútil das criaturas. De repente, eis que surge uma voz em meio aquele tormento. Uma voz calma e tranquila. Uma voz de anjo enviada por outro, seu anjo protetor. A voz veio como um bálsamo, um colo aconchegante que a fez se sentir protegida. Ela não estava só. Tinha um anjo que olhava por ela.

A felicidade

A felicidade
são momentos de euforia interna
uns relampejos
piscar de luzes
implosões e explosões
são fogos de artifício no ar
é o dia novo nascendo dentro de você
é observar uma formiga passando
uma folha caindo da árvore
uma flor se abrindo
as ondas do mar
o vento no rosto
o raio de sol na janela
o pássaro encostar no fio
é uma vontade de ajudar
de ser útil
é se comover e contentar com o outro
é perceber que você é maior e mais forte do que podia imaginar
e sentir que o universo conspira a seu favor naquele momento.

23 de setembro de 2008

Ela gosta de garotas

Ela é uma garota doce, delicada, tímida, de poucos amigos. Desconfiada, não dá chances a qualquer pessoa se aproximar. Decidida também. Por trás do jeitinho meigo, tem uma personalidade forte de assustar quando se revela. Pra relaxar, vai passear na praia a tardinha pra ver o pôr do sol.

Sempre quando está triste ou enraivada faz isso. É a sua melhor forma de relaxar. Tão prazerosa e relaxante a sensação que a faz parar no tempo, sentir o calor do sol bater em seu rosto, lembrar de tudo o que viveu, refletir sobre o que passou, sobre o que sente, sobre sua vida.

De tanto passar as tardes na praia, um rapaz a percebeu. Todas as tardes, ele também estava lá. Presentia que ela deveria ter as mesmas sensações e inquetações que ele. Se aproximou devagar, como quem não quer nada. E passaram a conversar todas as tardes.

O papo virou amizade e sempre se encontravam na praia. O pôr do sol era o ponto de encontro. De tanto conversarem, ele passou a identificar-se com ela e se apaixonou perdidamente. O que ele não sabia, é que ela gosta de garotas.

Joãozinho

Joãozinho vivia errando. Inventava estória. Contava mentira. Quando descobriam, pedia desculpas. Sempre fazia o mesmo. Todo mundo se cansou. Até que um dia ele estava se afogando no rio. Pediu socorro e ninguém acreditou. Joãozinho morreu afogado.

Nagô

Ele tinha um olhar distante, sofrido. Tinha fome. Tinha sede. Sede de justiça por tudo que havia passado. Negritude na cor. Atitude através da dor.
Ele dizia: _ Tá na pele, tá na raça nagô!

18 de setembro de 2008

Pra você Jac



Hoje quero homenagear minha amiga Jacqueline. Conhecida por Jac, Jackie, Dieki, ou Jackie Chan (pros íntimos). Quero falar o quanto ela é especial pra mim. O quanto és uma pessoa especial, marcante, que não passa despercebida pelo seu senso de humor, crítica, sensibilidade e inteligência.

Através dela aprendi a olhar o mundo com outros olhos, a ver mais beleza através da sua lente fotográfica, a me apaixonar pela Mafalda, a ouvir mais Chico Buarque. Passei a entender melhor as pessoas, pelo seu modo de tratá-las, de ter uma capacidade de compreender, apaziguar, dialogar, conciliar opiniões e visões diferentes.

De ter uma resposta certa, na hora certa, na ponta da língua e dizer com toda classe. De ser uma pessoa de atitude, de não esperar pelos outros e nem esperar que caia do céu. De ter princípios e valores admiráveis. Através dela as imagens e palavras possuem um sentido maior.

Agradeço a Deus por ter-me proporcionado te conhecer, por você existir na minha vida e por ser quem és.

"ela faz cinema
ela faz cinema

ela é a tal

sei que ela pode ser mil

mas não existe outra igual"


Te amo nega!



Satisfação

Há dias em que você não consegue fazer nada. Há outros em que você produz, produz, produz. Nada como a satisfação de um trabalho realizado.

15 de setembro de 2008

Mundo desabou

Interessante como a vida é. Num minuto você está super feliz por tudo o que está acontecendo. No outro minuto, acontece algo inesperado e o mundo de um amigo que se ama desaba. Sua felicidade não é completa, pois gostaria que o outro estivesse feliz também. Estou comovida e triste pela dor daquele que amo.

Uma dor que não é minha, mas que sinto pelo outro também. As palavras ajudam, mas nem sempre dizem tudo. O que se pode fazer é confortar, abraçar, estar ao lado, esperar que a dor passe, ajudar para que o outro se restabeleça e volte a seguir em frente. É nesses momentos que vemos o quanto é importante essa pessoa na nossa vida. E o quanto podemos ser importante pra ela.

Queria poder estar do lado o tempo todo, até a dor passar. Queria ter alguma poção mágica pra fazer a pessoa esquecer seu sofrimento, ou dormir e acordar no outro dia bem. Mas o sofrimento é inerente à condição humana e não temos como fugir dele.

É através do sofrimento que crescemos, amadurecemos, mudamos, nos protegemos para que o mesmo não se repita. E, apesar de tudo, não estamos livres dele. Pelo contrário, podemos evitar sim. Mas não podemos impedir que aconteça. Ele vai existir sempre até quando existirmos.

12 de setembro de 2008

Coisas da vida

Planejamos, estudamos, trabalhamos, vivemos para construir um tipo de futuro, ou pelo menos visualisarmos um. Mas a vida te dá uma rasteira, te pega de surpresa e te prega mil peças. Quando menos imagina já está em outro caminho. Coisas da vida.

Explosão

Sabe quando você quer explodir e gritar pro mundo o que sente?
Assim me sinto hoje. Mas explodir não tem medidas, quando se vê, a bomba já foi. BUMMM!!!

Pena que ainda tenho que me conter.
Só não sei até quando..

A vida é daqui em diante

O passado. É essencial pra sermos quem somos, pra nos tornarmos melhor, pra conhecer uma estória, a vida de alguém, pra compreendermos o hoje através da história, pra chegarmos onde chegamos. O passado são lembranças, que podemos relembrá-las, revivê-las. Ou não. O passado é importante sim. Mas viver do passado não dá. O que conta é o hoje, aqui e agora. E o hoje será passado um dia. A vida é daqui em diante.

11 de setembro de 2008

Escolhas

Nem sempre temos tudo o que queremos, e nessas horas é preciso fazer escolhas. Às vezes, é necessário abrir mão daquilo que te faz bem por outra mais importante no momento. Não que a mais importante seja uma escolha que não me fará bem. Pelo contrário, será bom e muito. Vale a pena a escolha e sei que estou tomando a decisão certa. O chato é ter que abrir mão de algo que gosto muito. Mas a vida é feita de escolhas. Depois, as coisas se ajeitam. Assim é a vida..

2 de setembro de 2008

Quero

Quero porque quero por querer
quero não só pelo querer
quero porque você me faz querer
quero porque é você
quero com você
quero você
meu bem-querer

Que a vida pode ser maravilhosa

"quero sua risada mais gostosa
esse seu jeito de achar
que a vida pode ser maravilhosa
que a vida pode ser
ma-ra-vi-lho-sa.."


22 de agosto de 2008

_ Ô Carol!

_ Oi

_ Eu ainda não ouvi você dar uma palavra na sala.

_ Ah ta rsrs

E senti um clima de paquera no ar..

14 de agosto de 2008

Observação

Tenho observado o comportamento e as falas de algumas pessoas ultimamente..
A vida muda diariamente..as águas não passam no mesmo lugar duas vezes e o rio continua a correr..

Só quero ver daqui pra frente quando algumas coisas acontecerem o que elas irão fazer!

Fico na observação..

13 de agosto de 2008

Michael Phelps X Eduardo Santos

O Jornal Nacional trouxe uma reflexão (que milagre!) referente aos dois atletas, Michael Phelps e Eduardo Santos, nos Jogos Olímpicos de Pequim 2008, que até então não tinha parado pra refletir.

Michael Phelps, nadador norte americano, se tornou o maior vencedor de toda a história dos jogos olímpicos com 11 medalhas de ouro e recordista em todas as provas que disputou, chegando a ser comparado com o Super Man e respondido pelo mesmo aos jornalistas de que não é imbatível.

Porém, já foram feitos estudos para saber porque ele sempre ganha e chega a manter uma distância de um corpo inteiro na frente dos adversários. Biologicamente ele possui o biotipo físico perfeito para natação. É longilíneo, seu corpo chega a mais de 2 metros de envergadura do tronco chegando a ser maior que o das pernas e seus pés são 15 vezes mais flexíveis que dos outros nadadores. Isso fora o treinamento, condicionamento físico para as competições, patrocínio e investimento do país.

Do outro lado temos o judoca brasileiro, Eduardo Santos, que disputou as olimpíadas mas não tinha condições financeiras para pagar o exame de mudança da faixa marrom para a preta no valor de quinhentos reais. Ao obter vaga na seleção olímpica brasileira, a Federação Paulista de Judô concedeu isenção da taxa e a Confederação Brasileira de Judô lhe proporcionou o passaporte e outras condições para competir nas olimpíadas.

Eduardo Santos é a representação de um povo que trabalha, ganha salário mínimo, negro e pobre, mas que luta pelos seus objetivos e não perde a força de viver, se emocionar e sonhar.

Diante disso..
quem é realmente o grande vencedor?

7 de agosto de 2008

beijo de encanto

beijo
de canto
beijo
no canto
beijo
o canto
beijo
seu canto
beijo
de encanto

Que venha o novo!

Estou num momento novo e que tem me provocado uma mistura de sensações. Sensações de alegria, de insegurança e medo. Até dor de barriga já tive e dor no estômago por causa dessa ansiedade.

Sinto uma extrema alegria por estar vivendo o que quero tanto e não esperava acontecer tão rápido, que me pegou de surpresa e me deixou embaralhada. Ao mesmo tempo, um medo de dar errado, de fracassar, medo do desconhecido, e insegurança pela falta de experiência, não pela vontade e certeza do que vou encarar pela frente.

O que é? Deixo a curiosidade para o leitor e digo mais adiante quando acontecer realmente..

Que venha o novo!


6 de agosto de 2008

Sorte

Falei anteriormente de destino. Agora quero entrar no quesito sorte. O que é sorte? Sorte é um acaso, uma predestinação, um acontecimento benéfico de ocorrer na hora, momento e lugar certo.

Tem gente que tem uma puta sorte. Não sofre tanto pras coisas acontecerem para melhor. Já tive uma maré de azar daquelas que não desejo pra ninguém. Mas agora, tô numa maré de sorte. Graças a Deus!

Ainda assim acredito na sorte não pela sorte em si, mas numa série de acontecimentos e escolhas que fazem com que a sorte surja.

O destino somos nós que construímos

Você acredita em destino?

Já acreditei bem mais antes, agora vejo que o destino é uma série de acontecimentos, oportunidades, ações e postura diante da vida. Claro que quem passa por uma vida miserável, sem condições de se desenvolver plenamente como ser humano tem muito menos chance de alcançar uma vida digna do que aquele que foi possibilitado ter essas condições. Mas não é impossível.

Para os espiritualistas, temos vidas passadas, carmas, e que nesta vida questões não resolvidas podem ser trabalhadas de forma que nos tornem melhor como ser humano. Para serem resolvidos não é buscando no passado, mas enfrentando os problemas no presente.

E o que faz uma pessoa se tornar melhor como ser humano? Creio que oportunidade de ter acesso ao conhecimento, lugares e pessoas que te façam se desenvolver, a aprendizagem com experiências vividas, a não repetição dos mesmos erros, uma consciência maior do ser-estar no mundo.

Mas tudo isso só é possível quando desenvolvemos uma maturidade que nos faça estar abertos para esse crescimento e um fator importante: sorte.

O destino não está traçado, somos nós que construímos.
É aqui e agora!

Essa é boa!

_ Bota na Sky pra ver quanto tá o Bahia X Ponte Preta

_ Não tá passando, o canal foi definido pra transmitir somente o campeonato da série A hahahahaha!

4 de agosto de 2008

Voxê extá no meu lugar

Estava conversando com um aluno quando outro..
(susurro)
_ Pró
_Próóó
_Próóóóóó
_Oi
_ Voxê extá no meu lugar (e abriu um sorriso lindo de quem ficou desconcertado por mim com aquela vozinha de quem fala axim).
_ Ô meu amor, me desculpe.

E dei um beijo no seu rosto..

Chilique

Não me venha
com chilique
não me mire.

Se vire
se pique
se atire.

Braços

Braço no braço
braço de abraço
Não tira pedaço.

Ganha-se mais
braços
abraços
e amassos.

Ciclos

A vida é feita de ciclos que se abrem, se fecham, recomeçam..Um dia, um colega me falou que nossa vida é marcada por estes ciclos que basicamente ocorrem a cada sete anos. Não necessariamente nesta ordem de anos para cada um, mas observei que o meu tem sido assim. Psicólogos, astrólogos e outros profissionais tem se debruçado sobre estes ciclos vitais que indicam características da faixa etária pertencente em cada ciclo, desde o crescimento físico, desenvolvimento corporal, relação com a família, sociedade, trabalho, valores pessoais, espirituais e consciência do ser-estar no mundo.
Digo isso porque acabei de me dar conta sobre dois projetos com propósitos e idéias em comum cada um (um grupo de produção cultural e um blog), que foi construído por dois grupos de amigos e que se acabou por razões diversas, mas também porque a vida é feita de ciclos. As pessoas, os ideias e prioridades mudam. O que se fecha, deixa uma saudade gostosa das lembranças e momentos vividos, ao mesmo tempo, um aperto no peito de não poder voltar ao que era antes.
Diz o ditado que as águas do rio não passam duas vezes no mesmo lugar, assim somos nós, sempre em renovação.

Há dias

Há dias não apareço por aqui. Descanso de alguns dias, retorno ao trabalho. Tenho muito o que falar, mas a obrigação do trabalho e a pouca criatividade me impede de realizar neste momento. Idéias permeiam minha mente, mas me faltam palavras. Aos poucos vou voltando ao ritmo e escreverei o que quero.

16 de julho de 2008

Reencontro

ponto de encontro
reencontro
ir ao encontro
não contra
contar o conto
encontra
viver o encontro
conta

15 de julho de 2008

"É preciso estar atento e forte
não temos tempo de temer a morte"

Intocada

meio bicho-do-mato
intocada
me fortalecendo
pra próxima
tocaia armada

Por falta de você

não como e adoeço
por falta de você
não durmo nem amanheço
por falta de você
só lembro de ti e me esqueço
por falta de você

11 de julho de 2008

Entrando pro time

Entrei pro time dos que usam óculos e aparelho. Os óculos somente pra ler, graças a Deus, pois o grau é pequeno e eu detesto depender de algo. Mas não é que ele tem seu charme? Até já usei pra sair a noite. Pra variar, adivinhe de que cor? Vermelho hahaha! Deu trabalho pra escolher porque achava que todos não caíam bem em mim. Mas encontrei o meu, na mesma hora não tive dúvida. É esse! Foi até barato comparado os preços da maioria. Ainda bem.

O aparelho ortodôntico voltei a usar depois de anos. É que na época eu não corrigi tudo. Usei durante quatro anos e meio e agora devo usar mais uns três anos. Ninguém merece!!! Quanto martírio! Só de pensar que tenho que extrair dente e vou sentir dor todo mês pra eles irem alinhando aos poucos, me dá arrepios.

Ao colocar, veio-me a lembrança dos apelidos na época: boca de lata, robocop, entre outros. Além disso, o cuidado ao me alimentar, escovar os dentes, falar e até beijar que tenho que ter novamente. É..a vida tem dessas coisas e estou pagando o preço de novo porque chupava dedo quando era pequena.

Não é uma questão só de estética, mas de saúde também. Já passei mal quando criança porque engolia os alimentos inteiros. O bom é que no final tudo dará certo e eu vou ter a lembrança e as fotos de um período marcante na minha vida e que tudo pode mudar para melhor. Sempre.

8 de julho de 2008

Eu + Você = Par

Um é ímpar
Dois é par
um no singular
no plural, eu e você.
Eu sou ímpar sem você
Com você sou par.
Sozinha sem dividir
A dois poder somar
Pra que eu quero ser ímpar?
Se posso a dois ser par.
Poder dividir e somar
Pra depois multiplicar.

1 ano

Hoje é um dia especial. Completamos 1 ano de alegrias, de trocas, de paixão, de amor, de sensações, reflexões, adaptações, de esperança, de convivência, de conselhos, de amizade, companheirismo, de puxões de orelha, de comer pipoca com coca cola e ver filminho enrolados debaixo do lençol ou abraçadinhos no cinema, de jantarzinhos fora, de sorvete e moqueca na Ribeira, de tomar uma cervejinha na praia, de jogar buraco lá em casa e com a turma, de viagens, de incentivos nos estudos e trabaho, e de tantas outras experiências que passamos neste curto espaço de tempo para nós.
Do novo que virá e dos anos que virão.
Um brinde a nós amor!
tim tim

6 de julho de 2008

Questionamento

Hoje me questionei sobre as relações humanas, sobre amizade, comportamento, tratamento entre as pessoas. E vejo cada vez mais que o sentimento puro de querer bem, de respeito e carinho estão escassos, e que estar feliz pela felicidade do outro é cada vez mais raro. Sentimos isso com aqueles a quem profundamente amamos, amamos de verdade, seja amigo, familiar ou qualquer outra pessoa que admiramos e gostamos pelo simples fato de gostar.

Entretanto, a questão aqui é a amizade. Quando o amigo que você gosta te entristece e a outros sempre com a mesma atitude, então algo está errado. Quando o que incomoda para um é exposto para o outro, acredito que a melhor forma de se resolver é através do diálogo. Se mesmo assim o comportamento persiste, então me questiono:

Até que ponto seu amigo gosta de você de verdade?
Será que é seu amigo mesmo?
Será que realmente quer te ver feliz ou tem inveja da sua felicidade?
Vale a pena continuar com essa amizade?

Acredito na amizade verdadeira. Mas essa amizade é rara, contamos nos dedos os verdadeiros amigos que temos. Mas como as pessoas são passíveis de erros, assim como ficam felizes pelo outro, também sentem inveja, machucam, ferem, mesmo que sem querer. Por trás de uma fala ou atitude podem existir pensamentos, sentimentos e carências que inconscientemente não foram trabalhados, e não me cabe aqui entrar em questões psicológicas que não tenho conhecimento.

Acho que quando um machuca o outro, os dois lados devem refletir suas posturas, se questionar se sua visão é egoísta ou se realmente está enxergando a questão. Entretanto, existem regras sociais subliminares que fazem com que a atitude de um seja criticada ou rejeitada pelos outros.

E qual lado está correto? Existe lado correto?

O fato é que as relações sociais diariamente sofrem aprovações e reprovações por parte da sociedade e ninguém está livre de julgamentos. Quando gosto de alguém e respeito uma pessoa, tenho como princípio tentar não magoá-la, mesmo achando que possa está certa, mesmo achando que deixo de ser um pouco eu para não magoar a outra pessoa, pois as relações são trocas, e sofrem exigências e abdicações. Só não acredito numa abdicação total de si mesmo, pois perde-se a identidade, ou por outro lado, há uma incompatibilidade total de gênios e um não dá certo com o outro.

Cresci através de amigos e familiares que me elogiavam e me criticavam como forma de amadurecer. Acredito mais na crítica construtiva do que no elogio exacerbado. E quando a esmola é demais, o santo desconfia.

Roda

Consciência maior arma
Mata pra qualquer lugar
To na área,
Deslizando,
Num concreto a recortar

O horizonte ali adiante
Tomou forma geométrica
E o que era importante
Tive que memorizar

Sem problema,
To ligeira
Já bem sei remediar
Minha voz é o que me resta e rapidinho
Vai ecoar

Pelo vale, na Pompéia
De Caymmi eu ouço o mar
Villa Lobos, a floresta
Hoje eu vou sacolejar

Caiu na roda,
Ou acorda,
Ou vai rodar!

(Céu)
às vezes a ignorância é sábia

2 de julho de 2008

Como ainda sou criança
estou aprendendo a andar
caio e levanto a todo momento
e como meu passo é mais lento

fico a caminhar

19 de junho de 2008

Aviso aos navegantes que estarei fora esse feriado de São João e São Pedro. Vou aproveitar pra curtir um forrozinho, rever minha terra, familiares, amigos e descansar um pouco. No retorno, terei estórias para contar..

Bom feriado a todos
Aproveitem!

17 de junho de 2008

"lançai um sorriso no ar
começa o dia a cantar
tra la la la la la
tra la la
tra la la"

13 de junho de 2008

Papo de criança

Jogando neopets..

_ Você mora aonde Clara?
_ No bosque dos sinuosos.
_ E você Renata?
_ Na rua mágica.
_ E você Mateus?
_ No vale assombrado.

Eu queria era ir pra Terra do Nunca..

12 de junho de 2008

"eu quero a sorte de um amor tranquilo
com sabor de fruta mordida
nós na batida, no embalo da rede
matando a sede na saliva"

Dia dos Namorados


Dia dos namorados. O comércio está a todo vapor com propagandas, vitrines estampadas e mercadorias para uma clientela específica. São almofadinhas, cartões, eu te amo, I love you, bichos de pelúcia, lingeries, embalagens, presentes de todos os tipos e gostos, corações pra todo lado. Vermelho é a cor que representa a paixão, o amor. Love is the air.

Tudo bem que não são só os namorados que acabam comemorando a data, mas os casais de uma forma geral também, e por quê não os casados há muito tempo? Amar não tem idade e pra quem ainda mantém a paixão depois de muito tempo deve ser uma maravilha.

Pra quem está ou já esteve solteiro, às vezes dá até raiva. Já senti muita raiva no dia dos namorados pois me cansava se ver a avalanche de propaganda nesta data, pois não tinha um namorado pra dividir na época. Por azar dos azares, no dia nunca estava com namorado pra comemorar, ou estava com paquera e a relação era casual (o que não significa que possa se fazer algo romântico por outra pessoa), ou era uma pessoa que não ligava pra essas datas comerciais. Depois a gente vê que se doar sozinho cansa, e vemos com o tempo, qual o tipo de relacionamento que queremos.

Na verdade, hoje se comemora o dia dos namorados porque amanhã é dia de Santo Antônio (conhecido como santo casamenteiro). Para os fiéis e para as que querem arrumar namorado ou casar, vale tudo. Rezar a trezena, fazer simpatia, botar o santo de cabeça pra baixo num copo d'água. Coitado do santo!

Para os casais, lugares é o que não falta, e o restaurantes ficam insuportavelmente lotados neste dia. Para os solteiros, tem as baladas e o forrozinhos que aproveitam a temporada pra arrumar um quem sabe..
Fica a criatividade, gosto e vontade de cada um.

Hoje posso dizer que conheço os dois lados. E aprendi que bom mesmo é se re-apaixonar por si mesmo, pelo outro e pela vida. Re-apaixonar todos os dias!

Maninha

Você mudou. Aquele jeito de menina moleca já não é o mesmo. As responsabilidades chegaram e a maturidade veio junto. Saudade do tempo em que nos fazia rir de qualquer coisa, com suas piadas, suas imitações. Tudo era motivo de uma boa risada. Afinal, as pessoas mudam. O bom é que não perdeu a sua essência e que és feliz. E isso me deixa feliz também.

"Gosto mesmo quando me chamas
maninha
maninha.."

Te amo!

Errar é humano

Sem sono. Consciência pesada. É preciso ter muita certeza do que se fala antes de julgar uma pessoa. Cuidado pra não se afobar e falar de vez antes de verificar os fatos. Calma é a palavra de ordem. Muita calma nessa hora. E quando se percebe que errou, está feito, não tem como voltar atrás pois não se pode desdizer o que foi dito. Explica-se, desculpa-se, mas não se apaga. Errar é humano e faz parte do viver. Vivendo e aprendendo..

28 de maio de 2008

Ai ai..o amor..

_ Você me ama?

_ Claro que te amo. Por que a dúvida?

_ Num sei..só pra saber..Tem certeza?

_ Tenho.

_ É porque eu te amo tanto que não cabe só em mim..eu não sei explicar..só sei sentir..

_ Ow meu anjo, eu também te amo tanto, sou feliz com você e quero estar só com você. Não fosse por isso, não estaria com você. Se não amasse, não iria querer construir um futuro juntos. Esqueça o que os outros pensam ou sentem, o que importa é o que eu sinto. Amo e pronto. Acredite em mim.

E ela acreditou..
Ai ai..o amor..

Lia

Lia têm 10 anos, olhos verdes, cabelos cacheados e dourados do sol. Menina de olhar vivo e doce. Tem uma ansiedade natural da idade. É diferente das outras colegas, pois "ela só quer, só pensa em namorar". Sabe de todas as bandas Emo americanas da atualidade, fica ligada nos carinhas, como cantam, nas guitarras, baixos, em como se vestem e sabe todas as músicas. Quanto está no computador, vive ouvindo suas músicas e vídeoclipes no youtube. Seus olhos brilham aos vê-los. Essa é daquelas que vai namorar logo, e quando começar a frequentar os shows de rock, vai ficar no gargarejo só ligada nos carinhas da banda ou no vocalista, porque seu sonho é namorar um. Quando faz atividade na escola, consegue dar conta de tudo ao mesmo tempo na sua forma elétrica de ser.
Com ela, não tem tempo ruim.

Peter

Peter é desinibido, inteligente e comunicativo. Se movimenta e pensa rapidamente. Sabe tudo de internet. Fala e escreve bem. Habbo é o jogo sensação da turma e ele comanda os colegas:
_ Peter, como faço pra entrar no quarto?
_ Peter, como arranjo emprego?
Peter:
_Ô véi, vocês num sabem de nada. Péra que eu ajudo.
No jogo, futebol é a sua paixão. No baba, machucou o dedo e partiu a unha. Pensou que poderia atrapalhar seu campeonato de Karatê. Então seu professor disse:
_Que bobagem! Você é bom nisso! Se acalme, leve fé em você rapaz que tudo vai dar certo.
Não é que ele levou o bronze!
Esse é o garoto!
E pelo jeito, não é só o futebol que é a sua praia.

Maria Gabriela

À minha amiga Gabi

Maria Gabriela
entre tantas Marias
essa é a Gabriela
não a do Cravo e Canela
mas tão bela quanto ela
na morenice e formosura
de dar inveja às Alices e Clarices
e provocar nos homens usura.

Papo de homem

Dois homens trocando uma idéia sobre videogame Futebol Clube e uma mulher ouvindo. Detalhe: a mulher era eu.
_ Rapaz você joga o Winning Eleven 9 Pro Evolution 5?
Hã???? Eu não entendia nadaaaa do que ele tava falando. Era o game mais atual só que com ligas dos clubes da Europa.
_ Cara eu tô viciado, minha namorada fica pirada porque eu vou pra casa dela, fico jogando o dia todo e ainda tem os caras, os irmãos dela e os primos. A gente faz campeonato e as porra..briga, xinga, grita..sai de tudo.
_ É..a minha que o diga..
_ Elas não entendem porque a gente gosta de jogar videogame, bater um babinha, tomar uma com os caras..Então eles perguntaram pra mim.
_ A gente não vê as mulheres fazendo nada e só se reunem pra falar da gente, de roupa..essas coisas..Por quê vocês são assim?
_ Admito que vocês são aliados, sabem se divertir juntos e se divertem com qualquer coisa. Tenho até inveja! Se for o caso, se defendem até debaixo da lama. Dou o braço a torcer e acho que as mulheres deveriam ser assim, aliás, acho que entendem. Também futebol é uma paixão nacional e vocês são viciados! E vocês perdem um tempão só jogando enquanto a gente se preocupa com outras coisas. Mulher gosta de sair pra tomar uma só com as amigas também. Só não é viciada em jogo. Acho que cada um tem o seu espaço e deve-se respeitar isso, como gosto de bater um papo com minhas amigas e homem não necessariamente tem que tá no meio. A maioria das que conheço, costumam gostar de dança, ou qualquer outro tipo de arte ou exercício, mas não se esporte. Conheço poucas que fazem. Nosso vício é o carteado heee! Se deixar, vira a noite.
_ Minha namorada não gosta dos jogos porque acha difícil, eu até baixei uns joguinhos mais simples pra jogar com ela..Bomberman, Street Fighter..
_ A minha gosta de tiro hahahaha! Taí, vou baixar um desse!
É..por que não jogar com eles? Ou levá-los a fazer o que gostamos também?
Agora, meu namorado joga um carteado lá em casa, quando me reúno com minhas amigas e eu jogo bomberman com ele. Qualquer dia desses, vamos lá no Playland só pra dar tiro e olhe que já dei tiro de verdade também hein!
Hahahahahahaha!

TPM

Esse negócio de TPM..
Um dia chora, no outro tá tudo beleza, ri e perde a paciência, fica deprê ou dá um tesão da porra! Se fala uma coisa ninguém entende, se não fala também, ou a gente entende tudo errado. Um dia quer colo, no outro quer abraçar o mundo. É um turbilhão de emoções e sensações..
A denominação deveria ser: Tudo Pra Merda!

27 de maio de 2008

Cantigas

Lá na escola temos cantado por estes dias. Uma vez na semana temos encontro dos professores e a há um mês estamos com uma professora de canto e musicoterapeuta realizando um trabalho prazeroso conosco. A proposta é trabalhar a voz através de exercícios vocais, cantigas de roda e de ninar.

Percebi como é bom cantar, faz tão bem pra alma! Mesmo que eu não tenha voz adequada para tal arte, cada um pode cantar da sua forma, descobrir qual a sua voz, o seu timbre. Nos nossos exercícios, vimos a potencialidade da voz e a mesma como identidade. Voz é igual impressão digital. Não existe uma igual a outra. Descobrimos também como é importante ouvir, escutar a voz do outro, trazer lembranças de sons de toda uma experiência vivida, da infância, da natureza, dos instrumentos e do cotidiano. Realizamos atividades de cantar a sós e em conjunto, e como soa lindo a singularidade e a união em coro, principalmente.

Como professora, sei que a voz é meu principal instrumento de trabalho e por tal motivo, ela necessita de cuidados fonoaudiológicos, assim como outros colegas que já possuem uma voz cansada, desgastada no exercício da profissão, sendo que este não é o meu caso. Nasci com voz rouca de natureza, mesmo sabendo que não é o natural, descoberta há um tempo atrás. Já escutei minha voz como ela é e a perdi novamente. Fica a responsabilidade então de recuperá-la!

Por fim, deixo dois trechos para quem quiser cantar: Zabelê e Rosa Amarela.
Deliciem-se e cantarolem por aí..

"Minha sabiá, minha zabelê
toda meia noite eu sonho com você
se você duvida, eu vou sonhar pra você ver"

"Olha a rosa amarela, rosa
tão formosa, tão bela, rosa
olha a rosa amarela, rosa
tão formosa e tão bela, rosa
Ia-iá meu lenço, ô Ia-iá
para me enxugar, ô Ia-iá
essa despedida, ô Ia-iá
já me faz chorar, ô Ia-iá"

26 de maio de 2008

2008

O ano de 2007, foi de mudanças, quebras, rupturas, padrões, conceitos, e comportamentos mudaram. Fechamento de ciclos para mim e para muita gente. Já 2008, astrologicamente ano nº 1 na soma, significa um recomeço, um novo ciclo de vida, ano de renascimento, crescimento pessoal, interior, a reconstrução de uma identidade. Assim me sinto. Este ano está sendo uma renovação, de mudanças positivas pra mim e minha família. Um ano de colheita do que se plantou. O azar dos sete anos do espelho que se quebrou passou. Este, é um ano de alegrias, conquistas pessoais, profissionais e de felicidades.

Só tenho a agradecer aos santos, anjos e orixás.
Obrigada Deus

Que assim seja para todos!


21 de maio de 2008

Socorro à comunidade indígena

Hoje saiu uma reportagem nos jornais e na net de um engenheiro da Eletrobrás, que foi agredido pelos índios caiapós num evento em Altamira, no Pará. O engenheiro foi convidado para apresentar estudos sobre o aproveitamento hidrelétrico na construção da usina de Belo Monte, sendo que os índios estão contra na construção de barragens na região do Xingu. No mesmo dia, sai outra reportagem sobre dois índios da reserva Araribá, em Avaí, interior de São Paulo que estavam mantendo quatro pessoas reféns, funcionários da Funai e soltaram um refém porque estaria com febre e precisou ser levado ao hospital. O protesto se refere a uma reivindicação da nomeação de outro indígena para assumir a diretoria do escritório da Funai em Bauru.

Depois de tantos anos agredidos, massacrados e escravizados, a comunidade indígena ainda sofre com o preconceito e a discriminação social e o descaso por parte do governo.

Eles somos nós!
Até quando Deus?



8 de maio de 2008

Tempo

Interessante o tempo. O tempo de sol. Tempo de chuva. De um passado. Do presente. E do que virá. Tempo de crescer. De uma gestação. De uma flor se abrir. Da fruta amadurecer. Tempo tem a ver com ritmo. Com velocidade. Tempo da musica. Do silêncio das palavras. Da velocidade delas. Tempo de uma ação. Reação. De ouvir. De esperar. Maturar. De pensar. De entender. De assimilar. De aprender. De esquecer. De passar. De andar. De correr. De respirar. De estar só. De estar junto. Tempo de uma piada. De um sorriso. De um choro. De um pedido. De uma desculpa. De um abraço. De um beijo. De uma atenção. De uma reclamação. De uma pausa. De ver o tempo passar.

A sociedade nos cobra um tempo de rapidez. No interior é mais lento. Diz o ditado: "a pressa é inimiga da perfeição". Se perdemos o tempo, já era, passou. Às vezes dá tempo de alcançar. Às vezes não. Às vezes é necessário agir com pressa. Às vezes não. Outro ditado: "a chance só tem cabelo na frente, depois que ela passa, não se pode pegar". Talvez essa chance. Mas sempre há tempo para uma nova chance. Acredito eu. Mesmo que ela apareça de outra forma. No entanto, cada um tem seu tempo. E há de se respeitar isso. Se não, cada qual que faça seu tempo.

Um dia uma pessoa me falou: _ Você precisa descobrir o seu tempo. Hoje sei.
E você sabe qual é o seu?


"tempo tempo tempo tempo
compositor de destinos
tambor de todos os rítmos
tempo tempo tempo tempo
és um dos deuses mais lindos"

Felicidade

Hoje eu sou a mulher mais feliz do mundooooooooooooooooooooo!

7 de maio de 2008

CQC



Alguém já viu o CQC custe o que custar? É o novo programa da bandeirantes que vai ao ar às segundas a partir das 22:15. Não quero aqui fazer merchandising da band, até porque essa e outras TVs deixam muito e/ou quase tudo a desejar no quesito qualidade e programação, não merecem tal propaganda da minha parte e se isso ocorresse, dependeria e muito do que estaria sendo proposto. Neste caso, o programa e não o dinheiro ganho com isso.

Não sou hipócrita, mas sou mais feliz ganhando menos com algo em que acredito, em que posso transformar e contribuir, do que mais com o que só faz fortalecer a "massa" da conformidade, da ignorância apática, que não tem sede de busca, e quem nem sabe disso.

Não sou jornalista e não tenho formação nem competência para uma análise teórica a respeito desse e de outros programas televisivos. Falo como público e consumidora com o mesmo direito que os mesmos têm de entrar nas casas e fazer parte da rotina diária como parte integrante das famílias.

O programa CQC é encabeçado por Marcelo Tas - aquele que comandou o Vitrine na TV Cultura e era o professor Tibúrcio no programa infantil Rá-Tim-Bum. Seu jargão utilizado ficou famoso e a maioria dos adultos hoje, crianças na época, conhecem a frase: _Porque sim não é resposta!

Durante esses anos pude acompanhá-lo, não diariamente, mas sempre que podia, e Marcelo (que intimidade!) sempre se prôpos a fazer um trabalho de qualidade, jornalístico, educativo, crítico, com dinamismo, inteligência e humor. Assim como minha amiga Rozane Suzart, admiro o trabalho deste profissional e sou uma fã!

Voltando ao proposto, o programa CQC, tem um estilo de humor sarcástico, onde os jovens repórteres sempre vestidos de preto (como no filme MIB - homens de preto) entrevistam artistas, políticos, personalidades e o público em geral, mas o alvo maior mesmo são os políticos, que recebem uma bateria de perguntas daquelas que todo mundo tem vontade de fazer e que nunca vai ao ar. Trazem informações jornalísticas e do meio político que não são apresentadas em qualquer outro programa televisivo, principalmente nos jornais. O programa Pânico na Tv tem uma linha de humor parecida, só que fazem isso com os artistas.

Dou a mão a palmatória e parabenizo a Tv Bandeirantes que se propôs a trazer o Marcelo Tas de volta. Mesmo com toda a proposta de um jornalismo crítico, percebe-se nas chamadas do programa entre os comerciais a propaganda da Skol, o que concluo que deve patrocinar o programa. Ingenuidade minha pensar que um programa, hoje em dia, só se sustentaria pela audiência, boa vontade e qualidade.

Enfim, em meio a tanto "Creu", "Dança do quadrado", "chupa que é de uva e senta que é de menta", algo de confortável à nossa visão e audição aparece.
Espero que esse, dure mais um pouco para que possamos ter o prazer de ligar a Tv.
Vale a pena conferir!

Troca-nomes

São tantos nomes parecidos dos meus alunos que fica difícil gravar todos e acabo me confundindo. Maria Clara, Ana Clara, Maria Beatriz, Ana Beatriz, Maria Júlia, Ana Júlia, Ana Carolina, Carolina, Carol, João Artur, João Francisco, João, Artur, Francisco, João Gabriel, Gabriel, Vitor, João Vitor, Leo isso, Leo aquilo..

Gosto dos diferentes e acabam soando mais fácil aos ouvidos. Dá mais identidade. Alí é o Kian, o Amon, a Djey, Airi, Maya, Aruã, Natan, Anita, Úrsula, Ananda, Maitê, Ianô, Yalin..

É por essas e outras que se um dia tiver filho, vai ter nome diferente.

28 de abril de 2008

A vida tem novas chances



Por falta de inspiração..deixo esse trecho como expressão da minha emoção.

“A vida não tem ensaio
mas tem novas chances
Viva a burilação eterna, a possibilidade
o esmeril dos dissabores!
Abaixo o estéril arrependimento
a duração inútil dos rancores
Um brinde ao que está sempre nas nossas mãos:
a vida inédita pela frente
e a virgindade dos dias que virão!”

(Elisa Lucinda)

22 de abril de 2008

Uma paz e nada mais

Ausência de palavras
silêncio delas
somente elas.
Deito no teu colo
e um mundo acontece.
Uma paz e nada mais.
Não precisa de mais.


"Cada um pode com a força que tem na leveza e na doçura de ser feliz" (Vanessa da Mata)

16 de abril de 2008

Gôsto

Gosto
do gôsto
de tira-gôsto.
Não do gôsto
de quem tira gôsto.
Gôsto eu gosto.
Gosto de gôsto.
Gosto de gostar.
Gôsto de gostar.
Gostar eu gosto.
Gostar de gôsto.

Contra o tempo



passatempo
pro tempo passar
pega tempo
pro tempo não andar
correndo contra o tempo
pro tempo não pegar

2 de abril de 2008

Menina da chuva


Engarrafamento. Carros lentos na rua. O ônibus passa devagar. Chuva forte. Vidros embaçados. Apesar disso, dá pra ver o que se passa do lado de fora. Aliás, o lado de fora do ônibus, como na maioria das vezes, estava mais interessante do que dentro dele. De dentro, rostos apáticos da rotina diária, de uma conformidade da realidade que se apresenta.

A chuva caía insistentemente sem parar. O barulho gostoso dela batendo no chão. Clima frio. Céu nublado. A vontade era de ficar na cama e ver um bom filme a dois debaixo do cobertor. Mas a realidade da vida me puxa e dá um tapa na cara. Acorda!

No entanto, algo chama atenção lá fora. Era uma moça. Devia ter seus 16 anos, mas a aparência de uma menina. Corria da chuva nas calçadas para não se molhar mais. Mas por que não parou em algum lugar coberto? Devia estar próxima, creio eu, do lugar onde queria chegar.

Corria no mesmo percurso do ônibus. E do lado de dentro eu a acompanhava. Correu tanto até que desistiu pela falta de fôlego e ao ver que a chuva não cessava. Desistiu de lutar contra a chuva e se entregou a ela. Passou a andar lentamentemente como se nada estivesse ocontecendo, ou como um dia qualquer. Devia ser, para ela.

Tinha cabelo castanho claro, ondulado, dividido ao meio e comprido, quase na altura da cintura. Vestia um vestido floral e sandálias de couro. Parecia uma camponesa. E carregava cadernos nos braços. Estava toda encharcada da chuva. E os cabelos pingavam, grudados no rosto e no corpo.

Andava na forma de uma pessoa que não tem pressa da vida. Um andar leve, escorregadio. A chuva deslizava com ela pela calçada, como se ela fizesse parte da chuva. Como se a chuva fosse sua companheira. Era a menina da chuva.

Aquela tranquilidade e paz ao se entregar a chuva, a não se abalar pelo fato de estar toda molhada, sem receio ou preocupação de pegar um resfriado, adoecer ou de ter que se enxugar e mudar de roupa, me incomodou.

Na verdade, ela não podia mudar aquilo e aceitou a situação. Atitude essa que, nem todos aceitam uma situação inesperada, e lutam contra a natureza das coisas, impondo o que se quer ou necessita, por vários motivos. Porque não quer se deixar molhar, por medo de adoecer, porque tem compromisso de trabalho, estudos ou qualquer outro motivo.

Não sei se as outras pessoas no ônibus ou na rua a enxergaram como eu. Ou se a enxergaram. Provavelmente, ela passou desperebida. Se alguém a notou também, duvido que tenha sentido inveja dela.

O fato é que, ela se permitiu a isso. E isso não a icomodava. Pelo contrário, no rosto, a expressão era de leveza, sem preocupações. E não devia ter mesmo, pela flor da idade. Ou talvez não permitiu que as mesmas a tomassem conta. Preocupações que nos sugam, tiram nossa força e nos cegam de ver a beleza dos pequenos gestos como esse.

Me incomodou não porque achei errado, mas porque eu tive inveja de sentir aquilo. Uma saudade de me deixar encharcar pela chuva, e a sensação gostosa que ela provoca batendo no rosto. Do cheiro que fica na terra. De me divertir, rindo sozinha de mim mesma. E de me deixar levar por ela sem medos e preocupações.

Para a menina da chuva, aquele, era um dia qualquer. Para mim, não.

Uma flor



Menino danado
moleque retado
que me deu
de bom grado
ontem
uma flor.

Um aluno
que tem
tanto rancor
mas que se mostrou
para mim
com muito amor.

Fez com ligeireza
que para minha surpresa
tamanha era a beleza.
Arrancou-a do jardim
e me deu um lindo jasmim.
Lembrança que não tem fim.

Avalanche de palavras


Não gosto da idéia de diário. Não que eu tenha algo contra. Não, não é isso. É que não quero ter que escrever diariamente. Mas, se porventura, acontecer, que não seja como um diário, porque essa não é a intenção.

Prefiro deixar as idéias fluírem, as sensações aparecerem, os fatos ocorrerem, sem ter que necessariamente ter que escrever. Quero escrever quando uma vontade súbita surgir. Que eu deixe as palavras emergirem naturalmente.

Passo dias sem escrever. Branco total. Mas tem dias, como hoje, em que me inunda uma avalanche de palavras, como uma chuva torrencial que sai devastando tudo pela frente. Penso não conseguir dar conta e acho que vou me afogar. Uma imensidão de nomes, pronomes, verbos, artigos, substantivos e adjetivos.

São tantas e diversas que elas se embaralham, se fundem, confundem. E fico sem conseguir separá-las, dividí-las, relacioná-las, rimá-las. Mas pra quê dividir? Se é na mistura que elas ficam mais interessantes, instigantes, intrigantes. Para melhor compreender; o leitor. Ou para me entender melhor.

É tão intenso que perco a atenção do que estou fazendo na hora e páro no ar. Preciso anotar rápido tópicos, trechos ou palavras-chave para não perdê-las. Seja na rua, no ônibus, ou até dormindo dá aquele estalo. Se não anoto, elas escapam, escorregam, escoem, fogem. E viram palavras ao vento, ficando a relento.

Desmundo

Nado
mergulho
afundo
profundo
no fundo
do imundo
mundo
desmundo

1 de abril de 2008

Viagem a Natal

Viagem a Natal




Chegamos em Natal na madrugada de uma quinta-feira, 13 de março de 2008, para fazer uma prova de concurso e a passeio. Conhecida como "A terra do sol", no entanto, quando saímos do aeroporto, nos deparamos com uma chuva torrencial. Minha expressão facial ao ver aquilo era de surpresa, pois não era época de chuva e estávamos chegando, acreditava eu, em pleno verão. "São as águas de março fechando o verão..".

Alugamos um carro para facilitar nosso deslocamento na cidade e realmente foi uma decisão acertada. O valor da diária custa mais barato que Salvador, fora que um carro seria útil para chegarmos aos locais de prova, para passearmos na cidade e no litoral. Pegamos um mapa na locadora e lá fomos nós: Eu, Mozão, Cheninha e Alanna (minha cunha fofa).

A cidade

Acabei sendo a co-pilota, guiando a turma pela cidade. Como eu estava com o mapa na mão, e acabei entendendo tudo rapidinho, estava me "sentindo" e acabei comandando tudo, pra protesto da turma. Procuramos primeiro a pousada que íamos ficar e que já estava reservada, depois os locais de prova de cada um. Nem demorou muito porque a cidade é pequena. Consegue-se ir de uma ponta a outra em vinte minutos.

Pra nossa sorte e surpresa de novo, a cidade é fácil de se localizar. Além disso, é bem sinalizada e dividida, separada por avenidas, em formato de quadras. As ruas são limpas. Não vi lixo jogado no chão. Os shoppings e lojas igual das grandes capitais. Vi lojas de dar inveja àquelas que a gente vê na Pituba e no Caminho das Árvores aqui.

Pobreza? Vi pouco. Não que não tenha. Mas não vi favelas, pelo fato de quase não existirem lá. Mas vi meninos malabarizando nos semáforos e prostituição na orla mais movimentada da cidade, a praia de Ponta Negra, igual ao Porto da Barra aqui.


O povo é educado, bem receptivo, alegre e divertido de ouvir o sotaque potiguá. Possui restaurantes bons. O Mangai, um restaurante típico nordestino, considerado o melhor da cidade, tem uma variação de pratos pra mais de cinquenta tipos. A mesa em que os clientes se servem é tão grande, em formato de um U. Isso fora o leque de sobremesas e doces. Os garçons e garçonetes se vestem como Lampião e Maria Bonita, e a decoração do espaço tem várias estátuas no tamanho e formato de gente, retratando a vida típica do um sertanejo. Bem interessante de se ver. Saímos de lá quase passando mal de tanto comer.

Só tem uma coisa, na cidade e no litoral, é prática dos garçons cobrarem os dez porcento da conta. Teve um de uma barraca de praia que nos cobrou o valor total, assim, "na lata". Achei isso grosseiro. Tão estranho pra quem não está acostumado, pois aqui em Salvador é opção e lá é considerado obrigatório. Se você não paga o valor total, eles te cobram mesmo.

Litoral Norte


Na ida ao litoral norte, atravessamos uma ponte construída recentemente na cidade. A vista é linda. Dá pra ver a praia e a cidade de cima.


Em um dia, alugamos um buggy, e fomos às praias de Genipabu, Pitangui e Jacumã.


Genipabu é conhecida pelas dunas. E realmente, são belíssimas. A vista é maravilhosamente linda. Quando as percorremos, nosso guia perguntou: _ Vocês querem com ou sem emoção?
O que vocês acham? Com emoção clarooo! O guia virava o buggy de uma forma, e ficava tão íngreme, que parecia que ia virar, pra desespero e gritaria da gente. Fausto e o guia se acabavam de tanto rir da nossa cara. Até gravamos alguns videos disso. Muito hilário!


Vimos dromedários e filas de gente de excursão para montar neles. Desistimos porque gastaríamos mais, além de que só de sentir o sol lascando na cabeça e ver aqueles bichos andando a passo de tartaruga, dava agonia só de imaginar ter que passar por aquilo. Também senti dó ao ver os coitados sendo puxados a força pelos guias deles. As pessoas ao montarem, tinham que vestir roupas típicas dos árabes e aqueles panos na cabeça denominado de "kandura".


Passeamos pela beira do mar e a brisa que batia no rosto era gostosa. Depois conhecemos a Lagoa de Pitangui. Uma delícia o banho! As barracas na beira do rio me lembraram as de Imbassaí aqui na linha verde da Bahia.


Última praia do dia. Jacumã. Conhecida pelo skybunda e aerobunda. O aerobrunda é uma tirolesa, mas não estava funcionando porque estava interditado por motivos de estarem agredindo a vegetação local e das dunas naturais.


O skybunda funcionava normalmente e estava cheio de turistas no local. A fila era grande pra ir no skybunda. Paga-se o valor de cinco reias, pra vc descer uma duna numa espécie de skate em que você senta e escorrega numa velocidade alta e cai numa lagoa. No início dá um pouquinho de medo. Ao ver a altura, bate aquele frio na barriga. Mas aí pensei: _ Já estou aqui e não volto atrás. Vamos nessa!


Sobre os turistas, a cidade estava infestada de paulistas, cariocas e sulistas. Fora os gringos que vinham a turismo sexual. E ohe que estávamos em pleno mês de março.

Terminamos o passeio e fomos almoçar já era mais de três horas da tarde no Naf Naf, um restaurante localizado em Jacumã. Muito boa a comida por sinal. Aconchegante, e a vista da praia era linda. Tinha umas redes pra descansar e a decoração é uma mistura de rústica com moderna. Porém, a comida não se compara com a do Mangai. Neste último, é bem mais gostosa e faz jus a fama.

Litoral Sul


No litoral sul, percorremos em um dia também, pois só tínhamos um final de semana. Fomos às praias de Ponta Negra, Cotovelo, Pirangi e Búzios.

Ponta Negra é uma praia urbana, onde se vê constantemente os gringos mas também outros turistas com famílias. Cheia de bares e restaurantes. Uma praia pra se ir a noite jantar e tomar uma cervejinha. Tem muitas lojas de artesanato e lembranças da cidade. Mas o Centro de Artesanato localizado no centro da cidade encontra-se lembranças, camisetas, bolsas e redes mais baratos. Vê-se também na costa, muitos hippies vendendo colares, artesanato, cerâmica e quadros belíssimos.

Passamos pela praia do Cotovelo mas não paramos pra nos banharmos. Tem lojas de artesanatos e restaurantes também. Pirangi é dividida em: Pirangi do Norte e Pirangi do Sul.


Em Pirangi do Norte, encontra-se localizado o maior cajueiro do mundo, como é chamado. Realmente, o cajueiro possui um tronco bem largo e suas ramificações não param de crescer. Ao lado do cajueiro, encontra-se várias lojas vendendo artesanatos e frutas da região. Aliás, vê-se sempre estas lojinhas. O comércio local se aproveita bastante do turismo na cidade.


Em Pirangi do Sul, o litoral é lindíssimo. Passamos por umas falésias e o mar é tão azul que nunca vi coisa igual. Paramos numa barraca de praia em búzios. A praia também é linda. E o mar, uma delícia. A água quentinha, com um porém, salgadíssima.


Comemos um camarão delicioso e grande. Me impressionei com o tamanho do camarão. Encontramos um vendedor de cocada com uma variedade delas que nunca vi. Até de cachaça tinha. E era gostosa viu! Acabamos levando de todos os sabores hahahaha! Citei no início do texto sobre uma prática dos garçons cobrarem os dez porcento da conta. Pois é, foi o garçom desta barraca que nos cobrou e fez cara feia porque não pagamos o valor total por desaforo mesmo, pela grosseria que ele fez e não por falta de dinheiro.


Por fim, fomos conhecer a Lagoa do Carcará. Enfrentamos uma estrada barrenta e cheia de pedra até chegar lá. Muito ruim. Mas valeu a pena. A lagoa fica escondida e é a coisa mais linda que já vi na vida. Tem areia branquinha tipo a Lagoa do Abaeté aqui e é rodeada por uma vegetação bem verde. A água é transparente, de forma que dá pra ver até o pé. A brisa do fim da tarde é tão gostosa e tão calma, apesar de estar cheia de turistas. Mas porque é grande, pois uma barraca não incomoda a outra ao lado.


Tem canoagem e pedalinhos na beira pra alugar. A água também é quente. Dá vontade de não sair mais. E o peixe frito? hummm! De tudo, a lagoa pra mim, foi o que mais bateu no peito de ter conhecido. Só isso já valeu a viagem.

Provas

As provas do concurso foram cansativas, pois tinha me inscrito pra duas no mesmo dia, da manhã de Técnico e da tarde de Analista do TRF. Não estavam difíceis, mas foi chato ter caído muito código. Decoreba total. Me arrependi de não ter estudado mais. O motivo, conto logo mais abaixo.

A noite, fomos relaxar num restaurantezinho onde a especialidade eram batatas. Por sinal, muito bom também, mas me foge da memória neste momento o nome do lugar. A decoração tem estilo esotérico com muitas plantas, mensageiros do vento, fadas e gnomos. No caixa, ficava uma mulher com cara de dona do espaço. Tive a impressão até que ela deve ser ou ter estudado astrologia ou wicca, pelas características do local. Muito aconchegante, com luz baixa e clima tranquilo. A clientela era jovem. Vimos casais e turmas de amigos.

Balanço da viagem


Tínhamos pressa em conhecer o máximo que podíamos. Isso foi cansativo, pois é impossível conhecer tudo de uma vez. Além do mais, ficávamos cansados pra sair a noite, pois estávamos o dia todo fora nas praias. Na pousada, apesar do cochilo pra descansar, mesmo assim continuávamos cansados. Admito que houve um dia que não aguentei e desabei na cama. Aliás, todos. Ninguém aguentou. Mas em outro, saímos um pouco forçados, pois o cansaço era tanto que ultrapassava a vontade de conhecer. Praia cansa né galera!

Só senti não ter dado tempo de conhecer o restaurante Tábua da Carne que soube ser muito bom também. Dica de uma colega da pós-graduação que é de Natal. Sinto não tê-la conhecido pessoalmente também, pois só a conheço do ambiente virtual da Universidade Católica de Brasília.

Juro que fiquei procurando defeito na cidade e só encontrei um até agora, que me incomodou realmente. O aeroporto. Achei pequeno pela quantidade de turistas que recebe e pelo fato da alta estação de verão lá ser mais longa que a daqui.


Amei a viagem! E amei Natal! Amo minha terra também, mas passei a amar Natal, pela beleza das praias, pela calma e pacata cidade, pela higiene e por comidas deliciosas. Acho que só enjoaria do forró lambada que toca o tempo todo.

Sinceramente, a vontade era de ficar e não mais voltar. Pretendo ainda retornar. Indico: vale muitíssimo a pena conhecer, sem sombra de dúvida.


Realidade X Sonho

Me esquivo
adio
fujo
finjo
que não existe
mas ela insiste
em continuar ali
na minha frente
para que se faça presente.
A realidade.

Me iludo
afogo
permaneço
e não me desfaço
deste que está aqui
na minha mente
antes ausente.
O sonho.

27 de março de 2008

Bem-te-vi



Todo dia
da janela no parapeito
canta um bem-te-vi

No dia que ele não canta
aperta no meu peito
a falta que nunca senti.

É um novo dia

Sabe aquele dia em que você não aguenta o turbilhão de emoções que sente e que tudo vai desabar e desaba? E acha que tudo que você tem a fazer ou permanecer inerte vai dar errado? Não quero fazer relação com a sensibilidade nos dias de tpm, ou a sensação clariciniana de ser. Não é.

É um dia daqueles em que através das sensações, mesmo um pouco confusas no ínicio, e ao decorrer do desabafo delas por meio da fala junto ao choro, você tem um estalo e enxerga tudo tão claro como água, mesmo sabendo que pode não adiantar nada, e a vontade é simplesmente de botar pra fora tudo que se sente.

E é aí que vem a surpresa. Tudo passa. O tempo muda. O vento carrega as nuvens no céu. O pranto da noite desagua no mar e dá vez a luz do sorriso como o sol que nasce pela manhã. É um novo dia raiando..

26 de março de 2008

Grand Chase

Um aluno pra outro colega:
_ Vamos jogar Grand Chase! É melhor, é do meu tempo..de 2005.
Isso foi uma criança de 10 anos. Falava como se fosse há muito tempo..
Engraçado como a noção de tempo é tão rápido para eles..

25 de março de 2008

Para saldar a Yemanjá


À Gica

Pés firmes
na beira do mar
para saldar
a Yemanjá.

Rosas brancas e vermelhas
vestido e sapato também.
Uma flor saudando à rainha
uma orixá à outra também.

Com todo respeito
de Iansã a Yemanjá.
Peço no peito
que a fé não costuma falhar.

Que traga prosperidade, paz e amor
através do canto, prece e louvor.

aí estão
pontas do pés
ao chão

querendo voar
para alcançar
o amor

21 de março de 2008

Queda

Estava tomando banho, toda ensaboada, e de repente..isplaftibum! Tomei um quedão no chão. E cái feito uma jaca hahahaha! O barulho foi tão alto do pé batendo na porta do box que parecia um trovão. Juro! Alguém falou da sala: _ Fechem as janelas que está trovejando.
Rapaz, eu ria de ouvir aquilo, da queda e ao mesmo tempo queria chorar da dor que sentia. O pior é que não tinha nem força pra falar: _ Fui eu!

Era uma vez na páscoa

Jenilson, era um menino só, não tinha ninguém, nem família. Vivia na rua e dormia em praças. Seus amigos eram os pombos. Só neles podia confiar, contar seus segredos e seus sonhos. Não era como os outros. Esperto, sempre atento ao que acontecia ao seu redor. Se livrava de emboscada dos outros meninos "companheiros" de rua. Uma esperteza de quem só vive como ele sabe como é. E uma doçura de quem almeja o quase impossível.

Apesar do triste olhar, enxergava beleza na vida e se divertia com as poças d'água da chuva. Ao ver outras crianças passarem com seus ovos de páscoa, suas famílias "perfeitas", bem vestidas e de quatro portas; Jenilson parava. Seu olhar se perdia no tempo, como quem desejava aquilo também. Ele desejava. Ele merecia. E ele precisava. Apesar da falta de tantas coisas, e da negligência de todos, Jenilson ainda tinha fome de vida. E ficava a se divertir com seus amigos pombos, criando estórias e pintando seus ovos com as cores da "sua" rua.

19 de março de 2008

Tempo de chuva



pingo pingando
chuva nascendo

tempo de chuva
de ibernar
de acolher

descansar
e esperar
tempo bom aparecer

Amo isso

Adoro quando meus alunos descobrem algo novo ou fazem algo e querem me mostrar. Quando eles me chamam: _ Pró ó!
E abrem aquele sorriso lindo de criança, de quem está desbravando o mundo. Fico mais boba do que qualquer um deles. Minha felicidade é tanta, que parece que vou explodir e virar milhões de pedacinhos soltos pelo ar.

Sinto tanto quanto eles, ou até mais. Me sinto lisonjeada também e com uma grande responsabilidade por saber que abrem suas vidas e me permitem entrar assim, de graça.
Estar ao lado delas, é nunca perder a alegria de ver os bichinhos voadores que aparecem quando o tempo esfria e cai a chuva. Ou com um lindo sol, uma borboletinha amarela que aparece por acaso na planta do jardim ou quando pousa em alguém; e a gente voa tentando alcançá-los.

A cada dia, meu dia se renova através dos seus olhares.
E a cada dia, é um renascer do meu lado criança.
Amo muito isso e não há preço que pague essa sensação.